Governo anuncia parceria para restauração do Museu da Língua Portuguesa

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin

EDP, Grupo Globo e Itaú Cultural participam da Aliança Solidária. Com previsão de reinauguração no primeiro semestre de 2019, restauração sairá por R$ 65 milhões

O Museu da Língua Portuguesa, atingido por um incêndio há um ano, deve voltar a receber visitantes no primeiro semestre de 2019. O governo do estado de São Paulo anunciou a parceria “Aliança Solidária” nesta segunda-feira (12). O custo total da obra será de R$ 65 milhões. Destes, R$ 34 milhões são investimentos da iniciativa privada. A empresa portuguesa EDP é patrocinadora master. O Grupo Globo e o Grupo Itaú também participam da Aliança.

As obras de restauro das fachadas e esquadrias da Estação da Luz começam ainda neste mês. A implantação da museografia terá início em 2018. As ações emergenciais para preservação do conjunto arquitetônico começaram 48 horas após o incêndio, ocorrido em 21 de dezembro de 2015.

O projeto de restauração foi possível graças a uma aliança solidária convocada pelo Governador Geraldo Alckmin entre o Grupo Globo e o Grupo Itaú, patrocinadores do museu, e o Grupo EDP do setor de energia elétrica.

O arquiteto Pedro Mendes da Rocha, responsável pelo desenvolvimento do projeto original do Museu da Língua junto com seu pai, o premiado arquiteto e urbanista Paulo Mendes da Rocha, fará as adaptações necessárias no projeto.

Participaram da cerimônia o governador Geraldo Alckmin, o secretário de Estado da Cultura, José Roberto Sadek, o ministro da Cultura, Roberto Freire, e o presidente da Fundação Roberto Marinho e vice-presidente do Grupo Globo, José Roberto Marinho. A solenidade contou ainda com a participação de Miguel Setas, CEO da EDP, e Eduardo Saron, diretor do Itaú Cultural, representando o Grupo Itaú.

O governador Geraldo Alckmin lembrou que o museu foi um sucesso com quase 4 milhões de visitantes. “Temos menos de 24 meses para o prédio estar inteirinho restaurado e depois mais alguns meses para a parte museológica”, disse Alckmin. “Queremos tornar o museu mais moderno, mais atrativo, com novas tecnologias, preservando o aspecto arquitetônico.”

Fonte: G1
Foto: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedin